Super Banner

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Por Onde Fui - Uma Semana na Argentina - Por Mariana Heffner

Mais um Por Onde Fui e mais uma história bacana de nossos leitores! Hoje, Mariana Heffner conta como foi sua passagem pela nossa hermana Argentina, mais especificamente em Buenos Aires.

Por Mariana Heffner

Uma Semana na Argentina

Em setembro deste ano, um amigo me convidou para passar uma semana visitando Buenos Aires. Sempre tive curiosidade de conhecer a capital Argentina, já que tantos amigos já tinham ido e sempre voltavam com comentários positivos. É uma viagem curta, de apenas 2 horas de voo (saindo de São Paulo), além de ser relativamente barata, tanto no preço das passagens e estadia, quanto no câmbio da moeda. Quando fomos, 1 real estava valendo de 4 a 5 pesos argentinos. A vantagem também está no preço dos passeios e na facilidade de locomoção na cidade. Tirando as corridas de táxi do aeroporto para o hostel e vice versa, conseguimos fazer tudo a pé, de metrô e com o aluguel de bicicletas.

As bici. Ao fundo, a Universidade de Ciências Humanas
As “bici”, como eles chamam lá, são essas simpáticas bicicletas amarelas, que podem ser alugadas nos pontos espalhados pela cidade. É só dar o número de seu passaporte ou RG e retirar uma bicicleta que pode ser usada gratuitamente por uma hora. No momento do cadastro recebemos um mapa, indicando os pontos de troca e ou renovação de aluguel das bicicletas. É um sistema simples e eficaz e, como existem muitas ciclovias pela cidade, as bici foram o nosso principal meio de transporte, dando para visitar todos os pontos turísticos só com elas.





Todas as manhãs, no hostel, um guia se apresentava aos turistas e os chamava para as excursões que passavam pelos pontos turísticos principais. Além desse convite, vimos mais alguns panfletos que marcavam horários e locais onde poderíamos nos juntar aos guias por preços simbólicos. Mesmo assim, resolvemos visitar tudo por conta própria, e o hostel oferecia um mapa com alguns lugares indicados. Qualquer dúvida, perguntávamos para os funcionários ou para pessoas na rua. Além da grande quantidade de turistas brasileiros, os próprios argentinos não viam problemas em nos ajudar.
Um dos pontos turísticos, o Floralis Generica, o monumento de flor gigante,
 que se abre pela manhã e se fecha ao pôr do sol.
Buenos Aires chama atenção por ser repleta de monumentos e prédios de estilo clássico. É muito comum se deparar com colunas gregas, estátuas e fachadas que dão a cidade um ar europeu. Existem muitas praças e prédios de órgãos públicos espalhados pela cidade, entre eles a Casa Rosada, que só abre para visitação nos fins de semana.

 Casa Rosada, sede do Governo Argentino
Apesar de ser uma capital movimentada e com trânsito intenso, as praças e as ruas de Buenos Aires são muito tranquilas. De dia é possível andar com as bicicletas pelas praças, ou parar para descansar e ver os monumentos, sem encontrar nenhum problema. Durante a noite é possível caminhar pelas ruas e avenidas sem ser incomodado, a não ser pelo frio e pela chuva que pegamos nessa época. Próximo ao Obelisco, existem diversos calçadões com muitas lojas, shoppings e vendedores ambulantes, além dos muitos cafés.




O Obelisco
Os cafés são muito comuns em Buenos Aires. É possível encontrar vários deles, sempre com as lousas na rua, indicando preços de doces, salgados e Empanadas (uma espécie de pastel local muito famoso). Dentre todas as opções de café, visitamos o Havana (em busca de alfajores, claro) e o Café Tortoni, um famoso café tradicional, conhecido tanto pela comida quanto pelos shows de Tango, que acontecem no subsolo.
O café da manhã no Café Tortoni. Vale a pena!

Existem muitas casas de shows e teatros que oferecem a apresentação de tango. Alguns a preços realmente altos. O show do Café Tortoni, no entanto, vale muito a pena. Além de não ser muito caro, o ambiente do subsolo é aconchegante e você pode pedir a taça de 500ml da cidra local.

As taças gigantes de cidra, enquanto esperávamos o show começar
O show dura 2 horas e acontece em forma de teatro. Entre uma apresentação de dança e outra, um dos homens canta ao vivo os trechos que compõe a história, e em um breve intervalo, dois percussionistas dão um show a parte com uma apresentação incrível.

Show de Tango
Dentre os principais pontos turísticos de Buenos Aires, estão a Casa Rosada, o Zoológico (Bioparque) Temaiken, onde muitos animais andam soltos e é possível dar petiscos a eles; o Casino El Tigre; e as diversas praças com estátuas e monumentos, dentre eles o monumento da Floralis Generica.
Uma das muitas praças de Buenos Aires
Mas entre todos os lugares que visitamos, o meu preferido foi o Porto Madero. Basicamente, é só um porto, com largas calçadas de pedra de ambos os lados, onde é possível andar com as bicicletas. Por ali tem muitos restaurantes e alguns barcos que funcionam como museus.
El Puerto Madero
Nos dias que passamos na capital Argentina foi possível ver e ouvir muitos brasileiros. No penúltimo dia até cruzamos com uma feira do Brasil, onde era possível comprar pão de queijo, coxinha, sucos e acompanhar apresentações de capoeira e de blocos de samba.
Um dos blocos de rua na Feira do Brasil, em uma das ruas principais de Buenos Aires
A viagem a Buenos Aires, em suma, não é para quem gosta de atrações radicais ou para curtir a vida noturna. A experiência vale para quem gosta do ambiente urbano, explorar lojas, bares, cafés, shows e teatros, e conhecer tudo através de longas caminhadas e passeios de bicicleta, contemplando principalmente a arquitetura da capital.