Super Banner

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Viagem pela Costa Oceânica da Irlanda - Parte I: O Extremo Norte - Por Cado Mucciaroni

E no Por Onde Fui desta semana temos nosso leitor montanhista Cado Mucciaroni que nos trás ótimas histórias da Irlanda, desta vez viajou pela costa deste lindo país! Confira mais textos dele aqui e veja também todas as dicas do Por Onde Fui sobre a Irlanda.


Viagem pela Costa Oceânica da Irlanda - Parte I: O Extremo Norte


Por Cado Mucciaroni


O que fazer em feriado da universidade? Alguns estudam, outros dormem. eu mais uma vez, aventura a todo vapor! Nada que um carro, 3 amigos e uma estrada costeira com paisagens deslumbrantes não resolvam.

Um mar lindo!
Caminho percorrido na viagem
Iniciando a viagem em Belfast - Capital da Irlanda do Norte - visitamos o Museu do Titanic e em seguida partimos em direção ao extremo norte. Tínhamos dois destinos como principais. A ponte de cordas que nos permite enxergar a Escócia logo a frente e a Calçada de Gigantes, uma das formações rochosas mais impressionantes do planeta.
Cado no Museu do Titanic
Nossa primeira parada na estrada costeira foi o Castelo no vilarejo de Carrickfergus. Um castelo que guardava a baía desse local na invasão Viking séculos atrás. Alguns quilômetros a frente, a estrada que vai margeando as baías e praias, alterna entre penhascos, praias e vales que completam o visual. A cada curva nós esperávamos por uma surpresa ou angulo fotográfico diferente. E de fato, nada ficou a desejar.

Vilarejo de Carrickfergus
A estrada era simples, com apenas uma mão de cada lado. Em alguns pontos mais estreitos, a estrada só permitia um carro por vez. Ainda, fomos agraciados com a educação humana que ao invés de dinamitar grande parte do penhasco para fazer a estrada, fez apenas um portal suficiente para os carros. De fato, é um lugar que não merece ser depredado jamais.

Outro fatos impressionante, foi o azul celeste, as vezes turquesa que compunham as águas geladas do Norte! Chuva, ventos fortes, chuvas de granizo que até parecia neve, e mais, tudo isso em plena primavera. Com temperaturas máximas de apenas 7ºC, sem dúvida a viagem exigiu disposição e muita coragem. 

Ao todo foram 1976 km rodados em 4 dias de viagem. Contando com hospedagens de amigos e boa vontade em informações e mapas por moradores locais, os idosos se mostraram os mais atenciosos e surpresos por ver um grupo de brasileiros encarando a costa norte com estradas que não estavam no GPS as vezes.
Visão da costa
Chegando aos destinos do norte, a ponte de cordas (Carrick-rope-a-bridge) é um local de falésias na costa que marca o ponto mais estreito entre a Irlanda do Norte e a Escócia. Tanto que na foto a seguir, a porção de terra ao fundo é a Escócia. Pagando 5 libras para atravessar a ponte, temos uma visão privilegiada da belíssima cor do mar, as aves e pedras que compõe esse cenário.

Carrick-rope-a-bridge
Após algumas horas de exploração do local, seguimos 35 km aprox. em direção ao Oeste para chegar à Calçada de Gigantes. Esse local é uma formação geológica natural datada de milhões de anos onde todas as pedras são hexagonais. Observe a foto abaixo, parece até que você está em um lego gigante feito de pedras. A violência do mar em algumas horas do dia pode ser perigoso.

Veja que formações bacanas!
Vale ressaltar que os pontos são muito bem cuidados e preservados, além é claro de estruturados. Cadeirantes tem fácil acesso. O local recebe visitação intensa de turistas de todos os cantos do mundo durante o ano inteiro. Sem dúvida uma viagem altamente recomendável. E por incrível que pareça, não é das mais caras. Ao todo, todas as despesas dividido por 4 - eu e meus amigos - saiu por volta de 200 euros por pessoa. Incluindo os presentinhos e lembranças de cada local + as entradas dos pontos pagos. 

Tem um tempo? tá de férias? aproveita agora o verão e vem pra Irlanda e rode pela costa norte da Irlanda. Um local sem dúvida, não menos que fantástico. Acha que acabou, espere pela parte II - A costa da Irlanda no extremo Oeste do país. Até mais!