Super Banner

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Por Onde Fui: Festivais de Verão no Japão - Por Mabel Ota

Temos hoje no Por Onde Fui, Mabel Ota contando sua passagem pelos festivais de verão no Japão!

Por Mabel Ota

Festivais de Verão no Japão

Quase 3 anos e meio após o grande terremoto que atingiu o nordeste do Japão, visitei a região com amigos para conhecer alguns dos maiores festivais de verão do país. 

Localização
Touhoku siginifica, literalmente, a região nordeste de Honshu (principal ilha que compõe o arquipélago japonês), que é composta por seis províncias: Akita, Aomori, Fukushima, Iwate, Yamagata e Miyagi. Desde tempos remotos, a região é famosa por suas montanhas, lagos, águas termais e pelo inverno hostil. Conhecida também pela produção agrícola, a região mantém a cultura popular tradicional se empenhando na manutenção de festivais locais e outras atrações turísticas.

Festivais na cultura japonesa

O período de festivais de verão, com fogos de artifício, jogos, danças e barracas de comida se assemelha bastante às festas juninas do Brasil. Da mesma forma, alguns nativos teriam dificuldade em definir de onde se originaram tantas celebrações ou por que o verão é a estação dos festivais. Somente na região de Touhoku, entre 01.07 até 30.08 são realizados cerca de 60 eventos em diversas localidades.

Em geral, muitos festivais locais se originam de celebrações sazonais para as divindades de templos xintoístas, eventos históricos, ou pelos períodos das colheitas nos campos de arroz (normalmente ao final do verão ou início do outono). Mas o verão japonês é marcado também pela celebração do O-bon, o feriado com origem budista no qual acredita-se que os espíritos dos falecidos voltam para visitar suas famílias. Por esse mesmo motivo, o verão é associado às assombrações e fantasmas.

Touhoku Sandai Natsu Matsuri

Como tínhamos um roteiro de viagem um pouco apertado, optamos por visitar apenas os três maiores festivais da região, conhecidos por atraírem a maior quantidade de visitantes.

Nebuta Matsuri em Aomori

Uma das origens do Nebuta seria o rito de purificação de Toro-nagashi (a colocação de oferendas em lanternas na água), realizada durante o período do O-bon em muitos lugares no Japão. Alguns descrevem o primeiro nebuta como uma lanterna gigante com cerca de 3 metros, fabricada no período Muromachi por um lorde feudal para surpreender a população de Kyoto durante o Festival das Lanternas, um evento para saudar os espíritos dos antepassados ​​falecidos.

Lendas antigas e releituras de cenas históricas ganham vida e cores 
com as montagens dos nebuta.

Atualmente, dezenas de carros alegóricos são montados com papel washi pintado sobre uma armação de arame e podem levar cerca de um ano inteiro para serem finalizados entre o projeto e a construção em si. Eles podem ter até nove metros de largura e cinco metros de altura e muitas vezes retratam deuses, figuras históricas ou míticas da cultura japonesa e chinesa ou atores de kabuki. Como toque final, centenas de lâmpadas são enroladas ao longo dessa estrutura, fazendo com que os carros iluminem o desfile com cores surpreendentes.

O design dos nebuta é totalmente tridimensional e pode ser visto de diversos ângulos.
Os espectadores, independentemente da sua idade ou habilidade, podem participar do desfile, contanto que estejam vestindo o traje tradicional chamado haneto. Eles dançam ao redor dos carros alegóricos puxados à mão e cantam “Rassera-!” ao som de tambores, fazendo ainda mais barulho com os guizos que são costurados na sua roupa. É dito que dessa forma, eles se misturam aos espíritos que vagam pela noite.

Participantes utilizam o haneto e desfilam alegremente atrás do nebuta!
Kanto Matsuri em Akita

O Festival Kanto tem sua origem como um festival para exorcismo de espíritos malignos ou doenças de verão, também conhecido como “Neburi-Nagashi”.

O destaque da festa é uma impressionante exibição de habilidade em que os artistas de diferentes associações equilibram o kanto (longas varas de bambu) com matrizes de lanternas de papel anexadas. Os kanto possuem tamanhos variados, podendo chegar até 12 metros, pesar 50 quilos e transportar até 46 lanternas de papel, iluminadas por velas de verdade.
Antes do kanto ser erguido pela primeira vez, as velas de cada uma das lanternas são acesas e os equilibristas se posicionam.
Ao som de tambores e flautas, os espectadores gritam “Dokkoisho, dokkoisho-!”, e cada kanto é levantado por uma única pessoa que o equilibra continuamente usando várias técnicas. Os artistas trocam o kanto entre si a cada poucos minutos e gradualmente adicionam extensões nas varas de bambu até a estrutura chegar em sua altura máxima. Não é raro que entre uma manobra ou outra, um dos kanto acabe se inclinando perigosamente sobre a platéia ou acabe mesmo caindo durante a demonstração!

Equilibristas trocam o kanto entre si com habilidade e precisão para não deixá-lo cair.
Tanabata Matsuri em Sendai

Decorações de Tanabata na cidade de Sendai, capital da província de Miyagi.
Tanabata, também conhecido como o festival das estrelas, celebra, de acordo com uma lenda, o encontro entre duas estrelas, Vega (Orihime ou a Princesa do Tear) e Altair (Hikoboshi ou o Cuidador de vacas). Amantes separados, eles se encontrariam ao cruzar a Via Láctea apenas uma vez por ano, na noite do sétimo dia do sétimo mês. Por isso é comum que o festival seja celebrado em datas diferentes dependendo qual o calendário adotado como referência no local.

Detalhe de um fukinagashi decorado com dobraduras.
Em Sendai, o Tanabata começa com uma queima de fogos na noite do dia 05 de agosto e é celebrado entre os dias 06 e 08. A característica principal do festival são as milhares de fitas coloridas que decoram galerias comerciais da cidade. Cada conjunto de 3-5 metros de comprimento de flâmulas (fukinagashi) é feito ou encomendado por lojistas, escolas e grupos comunitários. Produzidos com papel washi, são pendurados em postes de bambu ao longo das arcadas e avenidas do centro da cidade.



Além das flâmulas, que representam os fios de um tear, é comum encontrar outras decorações menores em Sendai, que incluem: um kimono para afastar a má saúde e acidentes; uma rede para boas colheitas e pescas; uma bolsa para atrair bons negócios; saco de lixo para atrair limpeza. Além disso, há as conhecidas tiras de papel ou tanzaku, nas quais antigamente se escreviam poemas, mas se popularizaram como meios de expressar desejos de boa fortuna ou agradecimentos.

Decorações menores são colocadas ao lado ou na base dos postes que sustentam as flâmulas mais altas
Concluindo…
Decoração de Tanabata até no Centro Pokémon!

Além disso, há várias barraquinhas nas ruas, montadas por lojistas e associações de bairro de cada uma das cidades. Tem joguinhos para crianças, bugigangas para turistas e várias comidinhas de rua: raspadinhas de mil cores, frutas geladas, bolinhos de polvo, frango frito, yakisoba, peixe grelhado, crepes, espetinhos e etc.

Lembrando que estrangeiros visitando províncias atingidas diretamente pelo terremoto (Miyagi, Fukushima ou Iwate) serão isentos da taxa do visto japonês até 31 de março de 2016, sendo somente necessário apresentar um documento que comprove a visita na área (reserva de passagem, hotel, etc.) na solicitação do visto.





P.S.: Sendai é a cidade que abriga o Centro Pokémon de Touhoku! Deixe um comentário aqui e até o próximo boletim do Comunica, devo sortear uma surpresa que trouxe de lá! ;D